2 de março de 2009

Arte difunde a técnica israelense para defesa

Foi divulgado no jornal "Diário do Nordeste" uma matéria sobre o Krav Magá. A matéria é assinada pelo repórter Moacir Félix, e as fotos são de Juliana Vasquez. O link direto para a matéria pode ser acessado aqui. Abaixo, a matéria copiada diretamente do site do jornal.

Idéia da atividade é dar às pessoas comuns a chance de apresentar respostas eficientes para qualquer tipo de agressão

Única técnica reconhecida internacionalmente como arte de defesa pessoal e não arte marcial. Este é o krav magá, adotado como filosofia de defesa pelas forças armadas de Israel. “Essa atividade dá condições para que qualquer pessoa, de maior ou menor porte físico, reaja, sempre que possível, a uma agressão”, comentou o professor Fred Carneiro, carioca formado em Direito pela UERJ que antes praticou o judô, karatê, taekwondo e boxe até conhecer o krav magá, em 1990, durante uma aula do mestre Kobi Lichtenstein, que trouxe essa técnica para o nosso País.

Aluno há seis meses do professor Fred Carneiro, o advogado cearense Vítor Brasil, 22 anos, arremata: “Além de ter uma técnica muito aplicada e eficiente, o krav magá traz o autocontrole, autoconfiança, a disciplina e é uma atividade gostosa de praticar”. E complementando as palavras do discípulo, o professor Fred emendou: “O krav magá apresenta respostas simples, rápidas e objetivas para os diversos tipos de violência do dia-a-dia; é a união da técnica com a velocidade de reação e ensina o cidadão, ou a cidadã, comum a livrar-se de situações de risco”.

E Fred ressaltou: “A reação do praticante do krav magá a um ataque não ocorre de forma repentina. Esse praticante aguarda uma situação favorável ou trabalha para que uma situação desfavorável se torne positiva para ele. É aí onde entram a autoconfiança, o autocontrole, a força psicológica que são proporcionados pelos ensinamentos da atividade”.

Fundamentos

“Basicamente, a idéia gestora do krav magá foi a de que todo ser humano deve ser capaz de defender a própria vida. A técnica então desenvolveu-se a partir dos movimentos naturais do indivíduo, aperfeiçoada com as leis da física, que multiplicam a potência e eficácia dos golpes”, comentou Fred. O carioca salientou que os movimentos baseados no poder da motricidade humana são de fácil execução, curtos e rápidos.

Os golpes utilizados no krav magá visam atingir principalmente pontos sensíveis do corpo do adversário. De acordo com o professor Fred, que há 19 anos pratica essa arte e é faixa preta - 2º Dan, os treinamentos baseiam-se em simulações de situações reais, onde as soluções são apresentadas de forma didática, passo a passo, e as conseqüências de cada golpe analisadas anatomicamente. “Ao aluno sempre é lembrado que as técnicas de defesa e reação do krav magá somente devem ser usadas em situações reais de legítima defesa”, reforçou o atleta carioca, 49 anos, o mais antigo praticante de krav magá no Brasil, que treina ininterruptamente com o mestre Kobi, o introdutor dessa arte também na América Latina.

Chegada a Fortaleza

Membro da Federação Sul-Americana de Krav Magá (FSAKR), entidade responsável pela formação e supervisão de instrutores no Brasil e outros países latino-americanos, e que resguarda a ética e qualidade do ensino das técnicas originais da atividade, o professor Fred desde o ano passado começou a ministrar aulas de krav magá em Fortaleza. “Com o objetivo de expandir essa arte israelense no País fui convidado para escolher um Estado e montar uma academia. Visitei algumas capitais e optei por Fortaleza, cidade com clima saudável e povo acolhedor”, disse Fred.

FIQUE POR DENTRO
Princípios que norteiam praticantes do krav magá

O praticante do krav magá deve evitar colocar-se em situações e locais perigosos, intervir em assaltos ou situações de violência etc. Defender-se e atacar pelo caminho mais curto e da posição em que se encontra, minimizando os riscos. Em função da situação, necessidade ou perigo que o adversário representar tentar sempre desencorajar o atacante através do diálogo antes de entrar em confronto. Visar sempre os pontos mais sensíveis do corpo (olhos, garganta, genitais) para atingir ou controlar o adversário. Utilizar os objetos que estejam ao seu alcance (chaves, telefones, canetas). No krav magá não há regras, limites técnicos, proibições. Todos os golpes são permitidos quando se trata de salvar a vida. A abordagem da defesa dessa arte israelense é concebida para eliminar o perigo, contra-atacar rapidamente e colocar o seu praticante fora de perigo.

INÍCIO NO ESPORTE
Idade mínima dos alunos deve ser entre os 11 a 12 anos

Na concepção do professor Fred Carneiro, a idade mínima para que a pessoa comece a praticar o krav magá (que na tradução literal seria combate corpo-a-corpo) deve estar entre 11/12 anos, “dependendo do porte físico e desenvolvimento mental do interessado”, comentou o atleta carioca. Ao matricular-se numa das academias, o aluno, inicialmente aprenderá a desferir golpes básicos como soco, chute, joelhada, cotovelada, sempre visando pontos sensíveis do corpo do agressor. “O objetivo do treinamento é que o praticante - a vítima do ataque -, domine o agressor no menor espaço de tempo possível”, explicou o professor Carneiro.

“O aluno só tem chance de sucesso ao reagir a um ataque se tiver pleno controle muscular, noção de distância para revidar esse ataque, técnica e capacidade mental para saber a hora certa de reagir. E se vale a pena reagir”, explicou Fred.

Nenhum comentário:

Related Posts with Thumbnails